Histórias de (in)verosimilhança: O maior cego é mesmo aquele que não quer ver?

A Anormalidade já não é o que era – II

Histórias de (in)verosimilhança: O maior cego é mesmo aquele que não quer ver?

A reflexão de hoje surge após ter lido a seguinte notícia publicada em Outubro passado (ver links abaixo):

Concretizou sonho de se tornar cega

Woman who dreamed about being blind had DRAIN CLEANER poured in her eyes by a sympathetic psychologist to fulfil her lifelong wish – and now she’s never been happier

eye

Será que é “normal” o que para quase todos os seres humanos é absolutamente incompreensível?

Um dos aspectos que torna a experiência humana compreensível à generalidade dos seres humanos é a verosimilhança.

É fácil de empatizar com alguém que acabou de ter uma experiência de luto, com alguém que desenvolve uma ansiedade fóbica à condução após um acidente de viação, com alguém que faz um surto psicótico após uma situação de stress intenso ou mesmo com um anti-social que viveu a infância num ambiente desestruturado e violento.

É a verosimilhança destas experiências que nos permite empatizar com as pessoas que as vivenciaram.

Mas como “calçar os sapatos” de alguém de deseja cegar para encontrar conforto?

Como empatizar com o inverosímil?

O que seria mais adequado fazer face a este desejo de cegar?

Tentar convencer esta pessoa que o seu desejo de se privar da visão é uma anormalidade que precisa de tratamento?

Mesmo que todo o seu ser vibre de dor enquanto não for efectivamente privada de ver?

E quem define este desejo de privação como uma anormalidade?

Não conseguindo “calçar os sapatos de quem deseja cegar” conseguiremos empatizar com a dor de quem sofre por conseguir ver (a ponto de desejar cegar)?

Durante muitos anos a homossexualidade era considerada uma doença, um desvio aberrante, e hoje aberrante é aquele que discrimina pela orientação sexual.

Para podermos evoluir, acabámos por nos focar na verosimilhança da dor que advinha da discriminação, incompreensão e indiferença.

Será que foi também esse o foco do terapeuta neste caso?

Qual a (in)verosimilhança que se segue? A eutanásia activa? O suicídio assistido?

De facto, este tema deixou-me com mais interrogações que respostas e não creio sequer que caiba apenas à Medicina ou à Psicologia a resposta a estas perguntas.

Mas fica a inquietação (provocatória):

Se você fosse o terapeuta, como decidiria?

João Parente – Médico Psiquiatra e Psicoterapeuta

A Paz, às vezes, chega mais tarde…

perdão

– Eu estava mais que bem até receber este telefonema – disse, enquanto olhava para as unhas como que verificando nervosamente se estavam bem pintadas.

Falava do tio paterno que tinha telefonado ao fim de 30 anos, pedindo-lhe para se encontrarem, que queria vê-la, que queria fazer as pazes com ela antes de morrer.

– Ele agiu muito mal com os meus pais e eles cortaram relações com ele e desde essa altura nunca mais ouvi falar dele. Ele deixou de fazer parte da minha vida quando eu era ainda adolescente, ele esqueceu-me e eu esqueci-me dele. Ele desapareceu da minha vida, mas para lhe ser sincera – da forma como eu sinto isto – ele nunca fez parte dela sequer. Ele desapareceu quando eu era ainda muito nova. Para lhe ser sincera, ele é-me completamente indiferente e agora cai aos trambolhões, vindo dum passado que eu já tinha esquecido, para pedir a minha bênção antes de morrer?

Voltou a olhar para as unhas, a esticar os dedos e rodar as mãos como se este interminável exercício pudesse aliviar o turbilhão de emoções que a assaltava.

– Pelos vistos, ele não lhe é completamente indiferente? – acentuei.

Parou, olhou-me fixamente e disse-me:

– É, sim. Ele é-me completamente indiferente. Se eu soubesse que ele iria novamente desaparecer e ficar mais 30 anos ou a eternidade sem dar mais notícias isso não me incomodaria absolutamente nada. O que me incomoda é que há uma parte de mim que apetece encontrar-se com ele e dizer-lhe que não perdoa, o quanto eu ainda me sinto magoada pela forma como ele fez sofrer os meus pais. Mas há também uma outra parte de mim que acha tudo isto irrelevante, que todos os seres humanos cometem erros – nomeadamente eu – e que errar é inerente à condição humana. Sabe, eu não tenho sequer que o perdoar, compreendo que ele tenha feito as escolhas que achou mais certas mas não concordo com essas escolhas e as escolhas que ele fez revelam um carácter e uma estatura moral – ou a ausência dela – que eu não apreciaria em ninguém e que eu nunca aceitaria num amigo meu, quanto mais num familiar. Eu quero-o longe de mim – como sempre esteve – mas não acho que tenha que o perdoar de nada. Mais ainda, eu não quero esse poder de o perdoar ou não, eu não aceito esse poder, eu nem sequer pedi esse poder.

– Mas o que me diz é que há uma parte de si que não quer perdoar…

– Sim. Há uma parte de mim que gostaria de lhe dizer que a minha mágoa por ter feito os meus pais sofrer não desapareceu e não vai desaparecer por ele cair do céu aos trambolhões a pedir para fazer as pazes comigo.

– Ele disse mesmo isso? “Fazer as pazes”? – perguntei.

– Exactamente. Fazer as pazes. – repetiu – Mas ele não entende que a paz que ele procura só poderá encontra-la dentro dele? Que acima de tudo ele tem que perdoar-se a si próprio? Que por muito que eu não o perdoe ou que lhe repita cem vezes que está perdoado ou que nada tenho que lhe perdoar, ele só vai encontrar a paz que deseja quando, bem no coração da alma dele, ele se perdoar a si próprio?

– Acho que você chegou a uma conclusão importante: você não é nem nunca poderá ser responsável pela paz ou ausência de paz de outro ser humano.

– Nem quero esse poder, compreende? Não pedi, não quero, nem acho justo que me seja delegado – logo por ele – esse poder. Cabe-lhe a ele perdoar-se ou não, independentemente do que eu sinta em relação a isso.

– Portanto, você não tem que se confrontar com ele para o perdoar ou não. Mas há uma parte de si que não o perdoa…

– Há uma parte de mim que ainda está magoada com ele.

– E que não o perdoa.

– Há uma parte de mim que gostava de fazer-lhe ver que a minha absolvição não faz desaparecer a minha mágoa.

– E que por isso não o perdoa.

Parou por alguns segundos e disse:

– Está fora de questão esse assunto do perdão. Não me reconheço esse direito nem esse poder. Só ele pode encontrar a paz dentro dele. Eu não sou tida nem achada, nem me acho tida ou achada para o que só ele pode fazer, dele para com ele.

– Muito bem, você conseguiu responsabilizá-lo pela inquietude dele e pela responsabilidade de encontrar nele mesmo a paz que ele procurava através do seu perdão, mas isso não me parece deixá-la a si em paz consigo própria…

– Talvez eu não me perdoe por não conseguir ultrapassar a mágoa que sinto em relação a ele. Porque eu gostava que fosse como ele pensa, que por uma arte de mágica eu pudesse estalar os dedos e fazer desaparecer toda a mágoa dentro de mim. Eu gostaria que fosse assim, mas a mágoa que eu sinto não desaparece só porque eu gostaria que desaparecesse.

– Mas a condição para se sentir em paz consigo própria é fazer desaparecer toda a mágoa num estalar de dedos, num passe de mágica?

– Isso não é simplesmente possível. Eu não consigo fazer isso acontecer assim dessa forma.

– Claro que não consegue. Nem é suposto que consiga. Você não é nenhum robô com um botão “on” e “off”. Não é assim que funciona a mente humana, não é assim que funciona a Natureza.

– Mas perdoar – para mim e para comigo mesma – é também ultrapassar esta mágoa, este ressentimento. E eu quero perdoar, entende? Eu quero ultrapassar isto.

– O primeiro passo você já o fez. Foi admitir para si própria que está ressentida e que a sua intenção genuína para consigo mesma é que este ressentimento desapareça. Que você conscientemente não quer sentir esta emoção em relação a esta pessoa. No fundo, o que me está a dizer é: eu estarei em paz comigo mesma quando eu não sentir qualquer ressentimento em relação a esta pessoa.

– Então aí o perdão será completo – rematou.

– Para si – acrescentei.

– Para mim?

– Sim. Para si, como você mesma disse. Mas isso pode não acontecer tão cedo, não acontecerá certamente amanhã, nem por nenhuma arte de mágica.

– E até lá? Que faço eu quando me der conta que este ressentimento ainda não desapareceu, mesmo que eu deseje que ele desapareça?

– Até lá você tem que aceitar essa sua limitação. Tem que aceitar que a mente humana lida com as emoções como pode, guarda-as na memória e que pode revivê-las vinte anos mais tarde com a mesma intensidade arrebatadora. Que as suas aspirações actuais podem já nem concordar com essas emoções que isso não as vai fazer desaparecer por magia. Tem que aceitar a sua condição humana e, se quiser, tem que se perdoar pela sua humanidade, na sua humanidade.

Ficou em silêncio por alguns instantes, as mãos repousando, desta vez em paz, sobre os joelhos.

E disse:

– Mas sabe? Mesmo assim eu não quero esta pessoa na minha vida.

– É uma pessoa que você não escolheria para o seu círculo de amizades?

– Nem para minha família, se pudesse escolher quem pertenceria ou não à minha família.

– Entendo. E isso é totalmente legítimo. Você pode e deve escolher quem você deseja que faça parte da sua vida e excluir quem você não deseja que faça parte dela.

Este foi um resumo de um conjunto de sessões com uma paciente e com esta paciente, entre outras coisas que aprendi, retive que:

Perdoar não é esquecer.

            Perdoar é muito mais que absolver.

            Perdoar pode ter que passar por nos perdoarmos a nós mesmos por não conseguirmos perdoar como desejaríamos.

            Perdoamos o quanto somos capazes, conscientes de que a Paz poderá tardar. Aceitarmos a nossa condição humana permite-nos viver em Paz com as limitações inerentes à nossa humanidade.

            Perdoar não implica recebermos nas nossas vidas quem não desejamos que faça parte dela.

            Nunca conseguiremos perdoar de coração se não formos completamente honestos connosco mesmos. O que, aliás, nem vale a pena tentar.

João Parente – Médico Psiquiatra e Psicoterapeuta

Ano que ainda vai novo

Ano Novo brinde

O Ano Novo é por excelência a época para resoluções, compromissos e o estabelecimento de objectivos. Contudo, todos os anos vemos alguns dos feitos a que nos propusemos ficarem pelo caminho, adiados para outra altura, que por vezes nunca chega. E ano após ano há itens que se repetem na lista, arrastando com eles a convicção de que não iremos, mais uma vez, conseguir atingi-los.

Quantos mais objectivos falhamos, mais agudizada fica a certeza – frequentemente não real – de que não temos capacidades ou não somos suficientemente bons, o que pode conduzir a um decréscimo na nossa autoconfiança. Assim, é importante percebermos que muitas vezes a falha não se encontra nas nossas características pessoais, mas na forma como definimos os nossos objectivos.

Proponho então que, ao definir as resoluções para este ano, tenha em conta os seguintes aspectos:

  • Defina um objectivo realista. Se quer deixar de fumar, por exemplo, e actualmente fuma três maços de tabaco por dia, talvez seja melhor propor-se a reduzir gradualmente a quantidade de cigarros diários em vez de parar de forma abrupta.
  • Olhe para si com atenção e descubra que recursos possui para levar a cabo o objectivo a que se propõe. Da mesma forma, identifique o que ainda precisa de desenvolver em si.
  • Ao definir um objectivo, divida-o em etapas que facilitem o seu caminho e lhe deem linhas orientadoras, tornando a sua meta em algo menos distante e que vai alcançando de forma gradual. Um objectivo não tem de ser uma tarefa hercúlea!
  • Não exija o mesmo de si todos os dias – se dormiu 8 horas e tudo corre normalmente na sua vida, é natural que se empenhe mais nas tarefas daquele dia; se, por outro lado está doente ou dormiu apenas 3 horas, não pode esperar o mesmo. Permita-se aceitar que cada dia é diferente e que isso não significa fracasso.
  • Peça ajuda. Ter uma boa rede de suporte permitir-lhe-á não só partilhar as suas dificuldades como não perder o seu objectivo de vista.

Catarina Satúrio Pires – Psicoterapeuta

Aceitação, uma palavra complexa

Aceitação

Aceitação, uma palavra que merece a nossa atenção nesta época de balanços de final de ano e planos para o Ano Novo.

As várias ciências e disciplinas têm um vocabulário que lhes é próprio. Quando o vocabulário não faz parte da linguagem comum, é mais fácil perceber que estamos perante uma linguagem técnica, mas quando são utilizadas palavras que fazem parte do léxico de todos nós, as interpretações tornam-se mais confusas. Tomemos por exemplo a palavra “positivo”, tantas vezes utilizada na linguagem vulgar, para designar algo de bom, mas cujo significado em ciência é apenas o de: estar presente, existir, poder assinalar-se.

Sabemos o quanto um resultado “positivo” numa análise laboratorial, pode revelar-se negativo para o nosso bem-estar…, mas pode também revelar-se positivo, dependendo de a que é que se refere a “positividade”

Em Psicologia, tal como noutras ciências ou áreas específicas do Saber, encontramos muitas palavras que são utilizadas na linguagem comum, mas que se revestem de um significado mais restrito e específico, ou mesmo diferente no âmbito dessa área.

Actualmente ouvimos cada vez mais a palavra “aceitação”.

 “Aceitarmo-nos a nós próprios”; “aceitarmos os outros” “aceitarmos a vida e as suas vicissitudes” “aceitarmos incondicionalmente os nossos filhos”…

Mas o que significa em termos psicológicos de facto “aceitar”?

“Aceitar” significa simplesmente não negar a existência e encarar com verdade o que é, e o que está, englobando essa realidade.

Aceitação não significa aprovação, consentimento ou resignação a essa mesma realidade, isto é, não implica qualquer tipo de aquiescência, abdicação ou renúncia. Implica, isso sim, aceitar a realidade da existência, de forma a podermos responsabilizar-nos por esse facto, conhecimento, ou constatação.

Aceitação é mesmo o primeiro passo para se poder escolher mudar, ou não, o que está e o que é, quando tal é possível, e pacificarmo-nos quando não o é.

Aceitação é sentir e perceber que os outros são o que são e que não podemos querer que eles sejam como nós desejaríamos que fossem

Aceitação é, neste sentido, o contrário de negação. Ao que é negado não é reconhecida existência, logo não fica ao alcance do nosso pensamento ou acção.

Para que possamos pensar sobre, agir, transformar, incorporar, lutar, pacificar, necessitamos em primeiro lugar de aceitar a existência duma determinada realidade, facto, emoção, pensamento.

É apenas a partir dessa plena aceitação e fruto dela, que podemos conscientemente decidir o que fazer.

Olhemos para a realidade do dia a dia:

Se não aceitarmos que estamos doentes, não faremos nada para nos tratar.

Se não aceitamos que alguém legislou mal, não podemos lutar para que legisle bem,

Se não aceitarmos que os nossos filhos precisam de ajuda especializada, não a procuraremos nem os ajudaremos

Se não aceitarmos que os outros são como são, não podemos amá-los incondicionalmente ou afastarmo-nos e protegermo-nos dos seus abusos.

Se não aceitarmos que vida pode ser injusta, nada faremos para que seja mais justa,

Se não aceitarmos a morte como inevitável, não viveremos a vida plenamente.

O mesmo se passa com a nossa realidade interna:

Quando negamos e evitamos as nossas próprias emoções e pensamentos, estamos a impedir-nos de aceitá-los, logo estamos a impedir-nos de agir sobre eles.

Acontece que todos nós temos tendência para negar e/ou evitar o que é desconfortável e doloroso, mas ao fazê-lo, estamos a negar-nos a possibilidade de qualquer mudança. Ficamos pois, cativos da dor, da zanga, da frustração ou da resignação, que nada tem que ver com aceitação.

Aceitar profundamente o que não pode ser mudado é também um passo para a sabedoria de perceber a diferença entre o que pode e não pode ser mudado

(tal como nos recomenda a Oração da Sabedoria)

Nesta época de planos e esperança num novo ano, talvez possamos começar por escutar e olhar a nossa realidade e abraçá-la aceitando-a pelo que é. Por vezes, esta aceitação é o ponto de chegada de que necessitamos para fazer face a determinadas realidades que não podemos controlar e que estão fora da nossa vontade ou acção. Outras vezes, a aceitação é simplesmente o ponto de partida para podermos alterar, transformar, evoluir.

A aceitação plena é uma libertação e, como tal, permite mais escolhas, tomadas de decisão e um maior grau de satisfação connosco e com a vida.

Cristina Marreiros da Cunha – Psicóloga e Psicoterapeuta

Luto e redes sociais

Luto e redes sociais

  Estamos permanentemente ligados nas redes sociais, partilhando estados, fotografias, fotos, normalmente de momentos agradáveis com a sensação de um contacto imediato com os outros. As mortes recentes de Robin Williams, Rodrigo Menezes, entre outros e milhares de partilhas e comentários associados puseram-me a pensar na temática da morte nas redes sociais.

       De facto, é natural que as redes sociais sejam usadas em momentos de perda, pois a sua imediaticidade e “omnipresença” permitem expressar a dor e receber mensagens de apoio num momento delicado, sentindo a compaixão de quem nos quer bem. Devido à evolução médica, vivemos cada vez menos em presença da morte. Já não se morre tanto em casa como antigamente, a esperança média de vida é maior e as famílias vivem os seus lutos cada vez mais tarde, o que, apesar de bom,  dificulta o processo de luto. Os próprios rituais são cada vez mais rápidos e quase que só se tem direito a chorar, quando ninguém vê, nem escuta. É-nos cada vez mais difícil estar em contacto com a morte e as redes sociais dão-nos uma distância, aparentemente segura e indolor, desse contacto. Afastamo-nos cada vez mais da tristeza. Paradoxalmente, nas mesmas redes, tudo o que é publicado fica registado para sempre, não podendo ser apagado.

     Segundo Worden (1991) o processo de luto, que tem um duração variável consoante o enlutado e o relacionamento deste com o falecido até à fase final da aceitação, envolve as seguintes tarefas:

  • Aceitar a realidade da perda;
  • Ultrapassar a dor da perda;
  • Ajustar-se a um meio em que a pessoa morta não está presente;
  • Retirar a energia emocional da pessoa falecida e reinvesti-la em novas relações.

       Agora imagine o seguinte cenário. Está emigrado num qualquer país asiático, com uma diferença horária de 8 horas de Portugal. O seu irmão morre num acidente de viação de madrugada e os seus pais, em choque, acham melhor, só lhe comunicarem no dia seguinte. Você acorda de manhã, pega no seu telemóvel e vê uma notificação de um amigo seu a lamentar a morte do seu irmão, que você desconhecia. Dá que pensar, não dá?

Catarina Barra Vaz  – Psicoterapeuta e Neuropsicóloga

 

A “Cinderela” improvável…

cind

Alexandre, engenheiro de electrónica e telecomunicações, um jovem de 32 anos, profissionalmente bem sucedido, inteligente, articulado, dizia-me:

            – É isto que eu não entendo em mim, compreende? Posso achar uma mulher muito interessante, começo a sair com ela, de início corre tudo muito bem e depois lá dou por mim a pensar que seria melhor se ela ganhasse tão bem como eu, senão depois vamos ter chatices porque vai haver esta diferença de ordenados o que vai gerar problemas porque, bem ou mal, quem ficar a ganhar menos vai sentir-se menos bem que aquele que ficar a ganhar melhor, mas depois, no meio destes raciocínios, percebo que não faz sentido nenhum e que é ridículo pensar assim!

            – O que você procura é uma companheira…

            – Sim, exatamente! Mas se não for isto é outra coisa qualquer! No outro dia, quando estava com a Vera comecei a pensar na impressão que ela causaria nos meus amigos e nas mulheres deles. E se eles não gostarem dela? Que figura vou eu fazer? A Vera nem sequer licenciada…

            – E as mulheres dos seus amigos são todas licenciadas?

            – É aqui que se torna outra vez ridículo: De todos os meus amigos mais próximos só um é licenciado e só a mulher dum outro é que é também licenciada! Mas, mais uma vez, nada disto é realmente importante!

            – Alguma importância há-de ter ou estes pensamentos não lhe ocorriam sequer…

            – Mas também não quero uma “tótó” do meu lado, quero uma mulher que saiba falar, que seja divertida, que saiba comunicar…

            – Então, e resumindo, ela tem que ganhar mais ou menos o mesmo, tem que ser licenciada e extrovertida?

            – Já viu o ridículo destes pensamentos?

            – São filtros que você impõe a si próprio – acrescentei.

            – Mas com tantos filtros, uns atrás dos outros, nunca vou encontrar quem quer que seja!

            – Já pensou que pode bem ser essa a função desses filtros todos?

            Alexandre apenas sentia que existia conquanto os outros lhe confirmassem a sua existência, sentia-se aceite na mesma medida da aprovação externa e conduzia a sua vida, bem como a sua auto-estima, na dependência da evidência de ser ou não validado por terceiros.

            Desta forma, atormentava-o a ideia de ficar só porque a solidão significava a vivência de um arrebatador vazio existencial onde Alexandre não conseguia ver-se nem sentir-se, existir ou ser.

            Não compreendia, Alexandre, que não eram os outros que não o viam, que não o aprovavam ou não o aceitavam, mas antes que era ele que não se via a si próprio, não se aprovava ou aceitava senão na lógica, não do que os outros pudessem pensar dele, mas antes do que ele supunha e conjecturava fosse aceitável e aprovável aos olhos dos outros.

            Alexandre vivia cego para si próprio no pressuposto de que só existia se outros reconhecessem essa mesma existência.

            Assim, havia que fugir a todo o custo da experiência de quase morte que representava a solidão.

            Era urgente encontrar uma companheira que o resgatasse desta solidão, que o resgatasse da sua cegueira – e era aí que tudo se tornava mais difícil.

            Alexandre alicerçava a sua incapacidade para um relacionamento mais profundo numa miríade de requisitos que as candidatas deveriam ter.

            Frequentemente iniciava um relacionamento que estaria condenado a acabar pouco tempo depois por um qualquer motivo menos óbvio.

            E assim, convencido de que mais valia esperar pela “mulher certa”, repetia-se a história do príncipe à procura da sua improvável Cinderela.

            E enquanto esperava, abatia-se sobre ele o tão intolerável quanto familiar sentimento ensurdecedor de solidão e abandono: “Com a minha idade, a maioria dos meus amigos já estão todos casados!”

            Enquanto o príncipe se entretinha a comparar as “cinderelas” dos seus pares às suas candidatas, enquanto cedia aos motivos mais tortuosos para as excluir do seu universo afectivo, não tinha que se encarar a ele mesmo, ao seu sentimento de profunda inadequação e incompetência afectiva – o pavor da intimidade não era senão o pavor que alguém descobrisse a sua humanidade e falibilidade por detrás de todas as suas irrazoáveis exigências de perfeição – e descobrindo-o, o devolvesse a ele próprio, falho, imperfeito, humano, mas porventura amado.

(NOTA – O nomes, a idade do paciente e a sua profissão são fictícios.)

João Parente – Médico Psiquiatra e Psicoterapeuta

Doença Bipolar – Desmistificando certos mitos

bi_p

“- Você tem uma doença bipolar e vamos ver como se vai dar com esta nova medicação.” – disse-lhe.

          A doente encarou-me como se eu lhe tivesse pronunciado uma sentença de morte.

            – Eu tenho “essa” doença?

            – Sim – respondi.

            – Mas isso é para o resto da vida, não é?!

            – Sim. É para o resto da vida.

            – Quer dizer que vou ficar dependente destes medicamentos até morrer?

            – Não vai ficar dependente de nada. Estamos a falar de medicamentos e não de cocaína ou heroína.

            – Isso quer dizer que sou “louca”?

            – Não! Claro que não!

            – Mas posso ficar louca? Pode-me dar um “amok”? Um acto de loucura?

            Estas são perguntas muito frequentes dos meus pacientes quando lhes é diagnosticada uma doença bipolar.

            E este pequeno diálogo, tantas vezes repetido em várias consultas, expressa os inúmeros e legítimos receios dos pacientes em relação à sua doença e que, na grande maioria das vezes, são infundados.

            Costumo responder que a esmagadora maioria das doenças humanas são doenças crónicas, ou seja, “para o resto da vida”, desde a diabetes, hipertensão, alergias, miopia, artrites, artroses, úlcera péptica e por aí adiante – costumo dizer-lhes que 98 % (*) de todas as doenças humanas são crónicas e incuráveis, à excepção de algumas doenças infecciosas e, mesmo assim, não todas – as infecções por HIV, hepatite C e, por vezes, hepatite B também são incuráveis.

            Por outro lado, há que desmistificar a ideia de “dependência dos medicamentos”.

            De facto, os medicamentos habitualmente usados no controlo da Doença Bipolar, não induzem dependência química porque não são aditivos.

            Se é verdade que existem forma de doença bipolar muito graves e incapacitantes, estas não são a regra. Os medicamentos na doença bipolar permitem, na maior parte dos casos, restituir ao paciente a sua qualidade de vida e funcionalidade: “Não se trata de você não conseguir viver sem tomar medicamentos. Trata-se de viver com maior qualidade de vida.”

             Por fim, tantas vezes, entre outras interrogações, vem a “pergunta da loucura”:

            “Será que sou louca? Poderei ficar louca? Pode dar-me um “amok” e cometer um acto de loucura?”

            Chegados aqui, entramos também no território nebuloso do estigma – mais do que não querer ter uma doença bipolar, o que mais assusta o paciente é a possibilidade de ser “louco”.

            Geralmente, devolvo a pergunta com outra pergunta:

            – O que significa para si “ser louco”?

            E, não surpreendentemente, a maior parte das pessoas responde: “Não sei” ou “Diga-me você que é o médico”.

            O conceito de loucura é tão assustador que o paciente nunca reflectiu de forma ponderada e madura sobre o assunto, mas fundamentalmente, o conceito de loucura vem associado ao receio mais profundo e inaudito de perda de controlo sobre si mesmo, à perspectiva da imprevisibilidade completa do seu próprio comportamento, à incapacidade de continuar a levar uma vida funcional e capaz, à perda da autonomia e à possibilidade de uma dependência progressivamente maior de terceiros.

            Há que desconstruir todos estes receios, um por um, com uma disponibilidade total para ouvir e esclarecer o paciente.

            Frequentemente, são estas as consultas que se revelam mais decisivas no estabelecimento duma relação sólida entre médico e paciente, onde o paciente descobre um “porto seguro” para partilhar os seus maiores medos, poder desconstrui-los e “reconstruir” uma nova imagem de si próprio mais adaptativa, mas, em última análise, será a própria evolução e melhoria clínica que irá desconfirmar todos estes receios.

            Assim, este é um trabalho específico que tem que ser revisitado várias vezes ao longo do tratamento, sem nunca esquecer que os médicos nunca tratam doenças, mas antes pessoas portadoras de uma determinada doença, seja ela qual for.

(*) A estimativa é minha mas não andará longe da verdade. À parte certas viroses e doenças infecciosas controláveis com antibióticos, a esmagadora maioria das doenças humanas é crónica.

 

João Parente – Médico Psiquiatra e Psicoterapeuta