O homem que recusou morrer mais cedo

gentus

– Sabe, eu tenho 65 anos, estou no meu 3º casamento, estou casado vai para 20 anos, mas não me sinto realizado, a nossa relação já não é o que era, quando fazemos amor eu percebo que para ela já é um sacrifício. Ela é uma ótima pessoa, tenho um enorme carinho por ela, mas a relação já não funciona, ela quer passar o tempo todo em casa e eu gosto de sair, meti-me num grupo que organiza caminhadas pela serra, eu gosto de estar com outras pessoas, gosto de conviver e ela acaba por sair comigo mas vejo que é sempre um esforço para ela, que por ela ficávamos sempre em casa.

– Eu percebi que já não sou feliz com ela e pedi a separação. Nem eu sou feliz nem ela.

– Mas tomei todas as medidas para que não lhe falte nada, se ela permitir eu quero manter uma relação de amizade com ela, quero que ela não se sinta desapoiada, que vou estar sempre ali quando ela precisar de alguma coisa.

– Isto é o que se passa. Pedi o divórcio porque sinto que a nossa vida como casal tinha estagnado e já não era boa nem para mim nem para ela.

– Mas a maioria dos nossos amigos diz que não é normal, um tipo chegar aos 65 anos e tomar uma atitude destas, dizem que eu não devo estar bem, que devo estar com um problema qualquer. E então decidi marcar consulta consigo.

– Venho aqui para saber a sua opinião.

– Eu não acho que você seja apenas “normal”. – respondi – Mais ainda, acho que tudo o que se está a passar consigo é saudável. Porque senão vejamos: o que seria então “normal”? Chegar aos 60 anos e decidir que a partir dessa idade uma pessoa deverá desistir de seguir o seu coração? Que deverá conformar-se com o que tem na sua vida, com a forma como vive a sua vida, mesmo que o que tem e vive seja sofrível e medíocre? Ou seja, a partir de que idade é que um ser humano deve decidir que o resto da sua vida deve passar a ser um exercício constante de conformação com a frustração de nada poder fazer para poder melhorar a sua vida e vivê-la como realmente desejaria? A partir de que idade é que uma pessoa deve decidir que tudo o que lhe resta é encostar-se a um canto e esperar pela morte? Que “normalidade” é essa que determina como “normal” uma morte antecipada?

Consultas como esta não são de todo frequentes, mas permitem-nos perceber que, muitas vezes, conceitos interiorizados socialmente como “normais” traduzem padrões de vida disfuncionais, geradores de uma imensa frustração e sofrimento, sendo também espectável – no mesmo registo “normal social” – que os seres humanos acatem como inevitável e aceitável essa mesma frustração e sofrimento.

E assim, muitos seres humanos aceitam morrer mais cedo, abdicando de viver a sua vida como genuinamente deveriam viver – um dia de cada vez – a abraçar com entusiasmo o que a vida lhes trás a cada momento, sem certeza alguma senão a de se recusaram trair-se a si próprios, sabendo que a vida vai continuar a dar-lhes momentos de sofrimento e frustração mas que estes terão resultado de escolhas conscientes – genuinamente suas – e não da agonia duma resignação imposta e “normal”.

No final da sessão, acrescentou:

– Quero perguntar-lhe só mais uma coisa: apaixonei-me por uma mulher que tem só 41 anos e ela correspondeu-me. Mas agora estou com algum receio de não saber como lidar com esta situação, percebe?”

– E… ? – Instei-o a continuar.

– Como devo eu fazer?

– Você sabe muito bem como deve fazer ou o que deve fazer, mas como me pergunta a minha opinião deixe-me recordar-lhe que você deve ser genuinamente você, com os seus talentos e as suas limitações, aliás como sucederia com qualquer outra pessoa de qualquer outra idade. Tente ser você mesmo e nada mais que você mesmo. Se reparar com atenção, é impossível ser diferente de você mesmo. Pode tentar mas não vai conseguir. Seja genuíno. Se você tem sido genuíno com a sua namorada, lembre-se que foi por você que ela se apaixonou. Se tentar ser outra pessoa não só não vai conseguir como vai estar a privá-la da pessoa por quem ela se apaixonou.

E com um sorriso genuíno – como só as crianças sabem sorrir – despediu-se e, espero eu, foi viver a sua vida com a coragem de quem se recusou trair-se a si próprio, calar o seu coração ou abdicar de ser o autor e único responsável pelas suas escolhas e pela sua própria vida.

 

João Parente – Médico Psiquiatra e Psicoterapeuta

A Paz, às vezes, chega mais tarde…

perdão

– Eu estava mais que bem até receber este telefonema – disse, enquanto olhava para as unhas como que verificando nervosamente se estavam bem pintadas.

Falava do tio paterno que tinha telefonado ao fim de 30 anos, pedindo-lhe para se encontrarem, que queria vê-la, que queria fazer as pazes com ela antes de morrer.

– Ele agiu muito mal com os meus pais e eles cortaram relações com ele e desde essa altura nunca mais ouvi falar dele. Ele deixou de fazer parte da minha vida quando eu era ainda adolescente, ele esqueceu-me e eu esqueci-me dele. Ele desapareceu da minha vida, mas para lhe ser sincera – da forma como eu sinto isto – ele nunca fez parte dela sequer. Ele desapareceu quando eu era ainda muito nova. Para lhe ser sincera, ele é-me completamente indiferente e agora cai aos trambolhões, vindo dum passado que eu já tinha esquecido, para pedir a minha bênção antes de morrer?

Voltou a olhar para as unhas, a esticar os dedos e rodar as mãos como se este interminável exercício pudesse aliviar o turbilhão de emoções que a assaltava.

– Pelos vistos, ele não lhe é completamente indiferente? – acentuei.

Parou, olhou-me fixamente e disse-me:

– É, sim. Ele é-me completamente indiferente. Se eu soubesse que ele iria novamente desaparecer e ficar mais 30 anos ou a eternidade sem dar mais notícias isso não me incomodaria absolutamente nada. O que me incomoda é que há uma parte de mim que apetece encontrar-se com ele e dizer-lhe que não perdoa, o quanto eu ainda me sinto magoada pela forma como ele fez sofrer os meus pais. Mas há também uma outra parte de mim que acha tudo isto irrelevante, que todos os seres humanos cometem erros – nomeadamente eu – e que errar é inerente à condição humana. Sabe, eu não tenho sequer que o perdoar, compreendo que ele tenha feito as escolhas que achou mais certas mas não concordo com essas escolhas e as escolhas que ele fez revelam um carácter e uma estatura moral – ou a ausência dela – que eu não apreciaria em ninguém e que eu nunca aceitaria num amigo meu, quanto mais num familiar. Eu quero-o longe de mim – como sempre esteve – mas não acho que tenha que o perdoar de nada. Mais ainda, eu não quero esse poder de o perdoar ou não, eu não aceito esse poder, eu nem sequer pedi esse poder.

– Mas o que me diz é que há uma parte de si que não quer perdoar…

– Sim. Há uma parte de mim que gostaria de lhe dizer que a minha mágoa por ter feito os meus pais sofrer não desapareceu e não vai desaparecer por ele cair do céu aos trambolhões a pedir para fazer as pazes comigo.

– Ele disse mesmo isso? “Fazer as pazes”? – perguntei.

– Exactamente. Fazer as pazes. – repetiu – Mas ele não entende que a paz que ele procura só poderá encontra-la dentro dele? Que acima de tudo ele tem que perdoar-se a si próprio? Que por muito que eu não o perdoe ou que lhe repita cem vezes que está perdoado ou que nada tenho que lhe perdoar, ele só vai encontrar a paz que deseja quando, bem no coração da alma dele, ele se perdoar a si próprio?

– Acho que você chegou a uma conclusão importante: você não é nem nunca poderá ser responsável pela paz ou ausência de paz de outro ser humano.

– Nem quero esse poder, compreende? Não pedi, não quero, nem acho justo que me seja delegado – logo por ele – esse poder. Cabe-lhe a ele perdoar-se ou não, independentemente do que eu sinta em relação a isso.

– Portanto, você não tem que se confrontar com ele para o perdoar ou não. Mas há uma parte de si que não o perdoa…

– Há uma parte de mim que ainda está magoada com ele.

– E que não o perdoa.

– Há uma parte de mim que gostava de fazer-lhe ver que a minha absolvição não faz desaparecer a minha mágoa.

– E que por isso não o perdoa.

Parou por alguns segundos e disse:

– Está fora de questão esse assunto do perdão. Não me reconheço esse direito nem esse poder. Só ele pode encontrar a paz dentro dele. Eu não sou tida nem achada, nem me acho tida ou achada para o que só ele pode fazer, dele para com ele.

– Muito bem, você conseguiu responsabilizá-lo pela inquietude dele e pela responsabilidade de encontrar nele mesmo a paz que ele procurava através do seu perdão, mas isso não me parece deixá-la a si em paz consigo própria…

– Talvez eu não me perdoe por não conseguir ultrapassar a mágoa que sinto em relação a ele. Porque eu gostava que fosse como ele pensa, que por uma arte de mágica eu pudesse estalar os dedos e fazer desaparecer toda a mágoa dentro de mim. Eu gostaria que fosse assim, mas a mágoa que eu sinto não desaparece só porque eu gostaria que desaparecesse.

– Mas a condição para se sentir em paz consigo própria é fazer desaparecer toda a mágoa num estalar de dedos, num passe de mágica?

– Isso não é simplesmente possível. Eu não consigo fazer isso acontecer assim dessa forma.

– Claro que não consegue. Nem é suposto que consiga. Você não é nenhum robô com um botão “on” e “off”. Não é assim que funciona a mente humana, não é assim que funciona a Natureza.

– Mas perdoar – para mim e para comigo mesma – é também ultrapassar esta mágoa, este ressentimento. E eu quero perdoar, entende? Eu quero ultrapassar isto.

– O primeiro passo você já o fez. Foi admitir para si própria que está ressentida e que a sua intenção genuína para consigo mesma é que este ressentimento desapareça. Que você conscientemente não quer sentir esta emoção em relação a esta pessoa. No fundo, o que me está a dizer é: eu estarei em paz comigo mesma quando eu não sentir qualquer ressentimento em relação a esta pessoa.

– Então aí o perdão será completo – rematou.

– Para si – acrescentei.

– Para mim?

– Sim. Para si, como você mesma disse. Mas isso pode não acontecer tão cedo, não acontecerá certamente amanhã, nem por nenhuma arte de mágica.

– E até lá? Que faço eu quando me der conta que este ressentimento ainda não desapareceu, mesmo que eu deseje que ele desapareça?

– Até lá você tem que aceitar essa sua limitação. Tem que aceitar que a mente humana lida com as emoções como pode, guarda-as na memória e que pode revivê-las vinte anos mais tarde com a mesma intensidade arrebatadora. Que as suas aspirações actuais podem já nem concordar com essas emoções que isso não as vai fazer desaparecer por magia. Tem que aceitar a sua condição humana e, se quiser, tem que se perdoar pela sua humanidade, na sua humanidade.

Ficou em silêncio por alguns instantes, as mãos repousando, desta vez em paz, sobre os joelhos.

E disse:

– Mas sabe? Mesmo assim eu não quero esta pessoa na minha vida.

– É uma pessoa que você não escolheria para o seu círculo de amizades?

– Nem para minha família, se pudesse escolher quem pertenceria ou não à minha família.

– Entendo. E isso é totalmente legítimo. Você pode e deve escolher quem você deseja que faça parte da sua vida e excluir quem você não deseja que faça parte dela.

Este foi um resumo de um conjunto de sessões com uma paciente e com esta paciente, entre outras coisas que aprendi, retive que:

Perdoar não é esquecer.

            Perdoar é muito mais que absolver.

            Perdoar pode ter que passar por nos perdoarmos a nós mesmos por não conseguirmos perdoar como desejaríamos.

            Perdoamos o quanto somos capazes, conscientes de que a Paz poderá tardar. Aceitarmos a nossa condição humana permite-nos viver em Paz com as limitações inerentes à nossa humanidade.

            Perdoar não implica recebermos nas nossas vidas quem não desejamos que faça parte dela.

            Nunca conseguiremos perdoar de coração se não formos completamente honestos connosco mesmos. O que, aliás, nem vale a pena tentar.

João Parente – Médico Psiquiatra e Psicoterapeuta

A “Cinderela” improvável…

cind

Alexandre, engenheiro de electrónica e telecomunicações, um jovem de 32 anos, profissionalmente bem sucedido, inteligente, articulado, dizia-me:

            – É isto que eu não entendo em mim, compreende? Posso achar uma mulher muito interessante, começo a sair com ela, de início corre tudo muito bem e depois lá dou por mim a pensar que seria melhor se ela ganhasse tão bem como eu, senão depois vamos ter chatices porque vai haver esta diferença de ordenados o que vai gerar problemas porque, bem ou mal, quem ficar a ganhar menos vai sentir-se menos bem que aquele que ficar a ganhar melhor, mas depois, no meio destes raciocínios, percebo que não faz sentido nenhum e que é ridículo pensar assim!

            – O que você procura é uma companheira…

            – Sim, exatamente! Mas se não for isto é outra coisa qualquer! No outro dia, quando estava com a Vera comecei a pensar na impressão que ela causaria nos meus amigos e nas mulheres deles. E se eles não gostarem dela? Que figura vou eu fazer? A Vera nem sequer licenciada…

            – E as mulheres dos seus amigos são todas licenciadas?

            – É aqui que se torna outra vez ridículo: De todos os meus amigos mais próximos só um é licenciado e só a mulher dum outro é que é também licenciada! Mas, mais uma vez, nada disto é realmente importante!

            – Alguma importância há-de ter ou estes pensamentos não lhe ocorriam sequer…

            – Mas também não quero uma “tótó” do meu lado, quero uma mulher que saiba falar, que seja divertida, que saiba comunicar…

            – Então, e resumindo, ela tem que ganhar mais ou menos o mesmo, tem que ser licenciada e extrovertida?

            – Já viu o ridículo destes pensamentos?

            – São filtros que você impõe a si próprio – acrescentei.

            – Mas com tantos filtros, uns atrás dos outros, nunca vou encontrar quem quer que seja!

            – Já pensou que pode bem ser essa a função desses filtros todos?

            Alexandre apenas sentia que existia conquanto os outros lhe confirmassem a sua existência, sentia-se aceite na mesma medida da aprovação externa e conduzia a sua vida, bem como a sua auto-estima, na dependência da evidência de ser ou não validado por terceiros.

            Desta forma, atormentava-o a ideia de ficar só porque a solidão significava a vivência de um arrebatador vazio existencial onde Alexandre não conseguia ver-se nem sentir-se, existir ou ser.

            Não compreendia, Alexandre, que não eram os outros que não o viam, que não o aprovavam ou não o aceitavam, mas antes que era ele que não se via a si próprio, não se aprovava ou aceitava senão na lógica, não do que os outros pudessem pensar dele, mas antes do que ele supunha e conjecturava fosse aceitável e aprovável aos olhos dos outros.

            Alexandre vivia cego para si próprio no pressuposto de que só existia se outros reconhecessem essa mesma existência.

            Assim, havia que fugir a todo o custo da experiência de quase morte que representava a solidão.

            Era urgente encontrar uma companheira que o resgatasse desta solidão, que o resgatasse da sua cegueira – e era aí que tudo se tornava mais difícil.

            Alexandre alicerçava a sua incapacidade para um relacionamento mais profundo numa miríade de requisitos que as candidatas deveriam ter.

            Frequentemente iniciava um relacionamento que estaria condenado a acabar pouco tempo depois por um qualquer motivo menos óbvio.

            E assim, convencido de que mais valia esperar pela “mulher certa”, repetia-se a história do príncipe à procura da sua improvável Cinderela.

            E enquanto esperava, abatia-se sobre ele o tão intolerável quanto familiar sentimento ensurdecedor de solidão e abandono: “Com a minha idade, a maioria dos meus amigos já estão todos casados!”

            Enquanto o príncipe se entretinha a comparar as “cinderelas” dos seus pares às suas candidatas, enquanto cedia aos motivos mais tortuosos para as excluir do seu universo afectivo, não tinha que se encarar a ele mesmo, ao seu sentimento de profunda inadequação e incompetência afectiva – o pavor da intimidade não era senão o pavor que alguém descobrisse a sua humanidade e falibilidade por detrás de todas as suas irrazoáveis exigências de perfeição – e descobrindo-o, o devolvesse a ele próprio, falho, imperfeito, humano, mas porventura amado.

(NOTA – O nomes, a idade do paciente e a sua profissão são fictícios.)

João Parente – Médico Psiquiatra e Psicoterapeuta