Adolescência, a idade ingrata ou excepcional?

Adolescencia

Adolescere: em latim significa crescer. Efectivamente, a adolescência é uma etapa de crescimento que se caracteriza pela fase de transição da infância para a vida adulta.

Os limites cronológicos da adolescência são definidos entre 10 e 19 anos pela Organização Mundial da Saúde (OMS). No entanto, a idade da adolescência varia individualmente e culturalmente.

Ao nível fisiológico, as grandes mudanças são as transformações dos órgãos sexuais que se desenvolvem na puberdade. A duração deste período depende de raparigas para rapazes sendo que na rapariga depois da primeira menstruação, aparece um abrandamento significativo do seu crescimento, e pelo contrário, no rapaz depois da primeira emissão de esperma, ocorre ainda um crescimento que dura cerca de 3 anos.

Em Portugal, a idade de puberdade é considerada, para rapazes entre 10 e 13 anos e para as raparigas entre 11 e 14 anos.

Recentemente, no livro “La reproduction animale et humaine” (2014), Nicolas Roux escreve no capítulo sobre a evolução da idade da puberdade nas raparigas que baixou dos 17 anos na metade do seculo XIX para 13 anos na metade do seculo XX, sendo o indicador a data da primeira menstruação.

O estudo de “Sorensen e al” (2012) também mostra que existe uma diminuição progressiva da idade da puberdade nas raparigas ao ritmo de 2,5 a 4 meses por ano ao longo dos últimos 25 anos. Tudo indica que também sucede uma alteração da idade da puberdade ao longo dos seculos sobretudo evidenciado nas raparigas.

Do ponto de vista da psicologia do desenvolvimento, o início da adolescência é definido pela maturidade sexual. O fim é caracterizado, não pelas mudanças de ordem fisiológica, mas pelas de ordem sociocultural, isto é, pela entrada no mercado de trabalho e pelo assumir de funções sociais de adulto, como por exemplo, poder formar uma família. Por esta razão, por vezes já se considera que a adolescência pode ir até aos 25 anos…

Desta forma, o estabelecimento de uma idade para a adolescência torna-se variável devido às diferenças individuais, culturais e temporais.

O termo “adolescência” é utilizado no contexto científico em relação ao processo de desenvolvimento bio-psico e social. A dificuldade da definição do conceito é agravado pela existência de preconceitos entre “a idade das asneiras e a idade perfeita” sem esquecer que, muitas vezes, também lhe surge associada a ideia de vandalismo, delinquência, droga, entre outros.

A adolescência é um período da vida humana determinado pela profunda transformação fisiológica, psicológica, intelectual e sócio-moral.

As transformações fisiológicas são da responsabilidade do sistema endócrino que controla as hormonas emitidas pelas glândulas sexuais. Nas raparigas, as hormonas principais são o estrogénio e a progesterona, e nos rapazes a testosterona. As mudanças corporais dão-se, não só a nível dos órgãos genitais, como também ao nível anátomo-fisiológico.

Verifica-se também um crescimento acentuado dos ossos da mão e dos pés, e um aumento do coração e dos pulmões. Em geral, os membros superiores e inferiores e a cabeça aumentam mais rapidamente do que o tronco. Estes diferentes ritmos de desenvolvimento trazem uma desigualdade por vezes observável nos movimentos desajeitados dos jovens.

Estas enormes alterações anátomo-fisiológicas influenciam significativamente o adolescente ao nível psicológico, pois tem um enorme impacto na forma como o adolescente se vê. A imagem que tinha do seu corpo, enquanto criança, muda de forma relativamente rápida. O adolescente procura então perceber-se e aceitar-se com essa nova representação física. A adolescência é deste modo um período de adaptação ao seu novo corpo e identidade.

O artigo escrito em 1993 por Bolognini, M., Plancherel B., Nunez R., Bettschart W, (Lausanne, Suisse) sobre um estudo longitudinal (1989-1991) mostra que esta passagem é também “um período de grande stress”. Refere que o adolescente está confrontado com múltiplas mudanças físicas, a escolha da orientação escolar, o desenvolvimento das novas funções, e as modificações das relações com os pais e com os amigos.

De facto, a sociedade exige ao jovem que tome muitas decisões para as quais ainda não está completamente preparado.

Acrescente-se, ainda, todo o processo complexo de desenvolvimento da sexualidade e da identidade sexual em simultâneo com a pressão para evitar comportamentos de risco que conduzam a doenças ou gravidezes indesejáveis, isto é, a exigência de uma sexualidade responsável, integrando a contracepção nas suas relações.

Relativamente à sexualidade, os adolescentes não tomam as providências necessárias por não medir correctamente os riscos e as suas consequências. Desta forma, frequentemente, não estimam adequadamente as possibilidades de engravidar, ou mesmo, de contrair doenças sexualmente transmissíveis, nem avaliam realisticamente as consequências.

Perante tantas solicitações, os adolescentes comportam-se de forma diferenciada à procura de se auto-afirmar. Por vezes, vestem-se ou falam de forma diferente, até mesmo para vivenciarem o choque com os adultos, numa tentativa de se perceberem como diferentes e enquanto seres individualizados. Isto não são mais do que tentativas para descobrirem o seu próprio espaço identitário.

Muitos dos comportamentos dos adolescentes incluem sonhar, isolar-se, escrever, pintar, tocar instrumentos, ouvir música. Todos eles contribuem para a satisfação de necessidades internas de auto conhecimento e do seu desenvolvimento emocional.

As transformações também se dão ao nível intelectual. Desenvolve-se o pensamento formal que corresponde ao aprender e relacionar conceitos abstractos e que passa por interrogar, desenvolver o raciocínio hipotético dedutivo, argumentar e criticar. Todas estas capacidades cognitivas de abstração permitem alargar as perspectivas do adolescente, como o aprender a reflectir antes de agir, exprimir argumentos para lutar pelas suas ideias e saber discuti-las. O adolescente procura uma exigência de coerência nas discussões, no questionamento dos problemas, sabendo distanciar-se relativamente aos conflitos emocionais e tentando abstrair-se deles. O jovem defende uma filosofia de vida que lhe seja importante para a formação dos ideais pessoais. Tudo isto para ter um melhor entendimento de si próprio e do mundo que o rodeia.

Esta competência intelectual leva o adolescente a interessar-se por problemas éticos, ideológicos e sociais. Neste sentido, efectua também uma mudança a nível socio-moral. Defende as suas ideias e opta pelos seus valores sociais próprios. Lealdade, coerência, justiça social, liberdade e autenticidade são alguns dos valores defendidos. Quando o adolescente se apercebe de que a sociedade não está em conformidade com os valores que defende, revolta-se e opta facilmente por uma atitude muito radical, manifestando-se de várias maneiras. Procura quase sempre uma perfeição moral da sociedade e dele próprio.

Todas estas alterações, tanto psicológicas como intelectuais e socio-morais, trazem ferramentas para enfrentar os desafios da vida adulta. No entanto, a adolescência não é um período fácil. Os sentimentos são frequentemente muito fortes, novos e problemáticos. Os adolescentes vivem com estas novas pulsões, que por vezes são tão fortes, que os levam a ter comportamentos radicais.

A grande pergunta nesta fase é: “Mas quem sou eu?”

A esta dúvida junta-se, por vezes, a dificuldade do adolescente encontrar a sua identidade ao nível da sua orientação sexual. A orientação sexual reporta-se à atração para o sexo oposto, o mesmo sexo ou para ambos os sexos. A dúvida de orientação ocorre por encontrar dificuldade em gerir as suas pulsões e a sua identidade. Por vezes, as várias experiências tem apenas como objectivo a descoberta de si e do outro. As experiências homossexuais e/ou heterossexuais não definem, por si só, a orientação sexual, pois podem fazer parte da exploração do processo de identidade e orientação, podendo ser temporárias.

Se essa mesma pergunta for vivida intensamente, pode ainda criar um mau estar geral e um vazio tão grande que os adolescentes passam por uma fase de depressão podendo mesmo pensar no suicídio. Felizmente estas sensações difíceis também podem ser efêmeras. No entanto, convém estar atento aos sinais de mal-estar prolongado e examiná-los com o devido cuidado.

O período da adolescência é um período que deveria ser alvo de maior atenção e cuidado por parte das escolas e das instituições de saúde pública.

Por outro lado, convém não esquecer que o desenvolvimento intelectual do adolescente se pode destacar da normalidade.

Muitos dos grandes ideais da humanidade vieram dos jovens. Temos que agradecer aos adolescentes as suas atitudes que permitem e contribuem para a evolução da sociedade. São os jovens que empurram as pessoas mais velhas e mais resistentes à mudança.

Embora a adolescência seja considerada uma fase ingrata, é na realidade uma fase em que os adolescentes investem e impulsionam as sociedades. É uma idade extraordinária.

Obrigada adolescência.

“Toda a gente é uma estrela e tem o direito de brilhar.” – Marilyn Monroe

Magali Stobbaerts – Professora de Yoga e Psicoterapeuta

 

Magoar ou entristecer?

magoar ou entristecer

“Não consigo lidar com o facto de se lhe expressar o que sinto vou magoá-lo/a”

A ideia de que expressar emoções desagradáveis ao outro, sobre o outro, implica magoá-lo é algo que os meus pacientes me trazem com frequência para as sessões.

A possibilidade de magoar o outro é tão aversiva que parece haver uma preferência por anular a expressão das próprias emoções, mesmo que isso acarrete incoerência e sofrimento para o próprio.

Esta dificuldade dos meus pacientes em serem coerentes com as suas emoções no relacionamento com os outros mexia particularmente comigo e debrucei-me a reflectir sobre o que é que me desconcertava nesta dificuldade tão comum.

Comecei então a pensar, o que é isto de magoar o outro? Quando é que magoamos o outro? Magoar parece-me implicar uma certa desconsideração, uma forma descuidada de tratar o outro, seja no adoptar de uma postura agressiva, ou no adoptar de uma postura negligente. Diria que magoar implica não considerar o outro na equação. E a realidade é que não era isto que eu via tendencialmente nos meus pacientes, pelo contrário, parecia-me que equacionavam tanto o outro que se esqueciam de si próprios.

E comecei a pensar… será de facto que magoamos os outros quando partilhamos, de uma forma cuidada, as nossas opiniões divergentes ou as nossas emoções menos agradáveis perante eles? E surgiu-me esta diferença: magoar ou entristecer?

Se me apontam características menos positivas minhas, eu fico triste; se me dizem “já não sinto por ti o que sentia”, eu fico triste; se não partilham a mesma opinião que eu sobre um tema que me é querido, eu posso ficar triste também; mas magoada?

Quando, por tanto engolirem o que pensam a meu respeito, explodem um dia e me mostram os meus defeitos de forma agressiva, eu fico magoada; quando me dizem “gosto de ti da mesma forma” mas toda a expressão não verbal, nomeadamente o afastamento ou a irritação, mostra o contrário, eu fico magoada; quando, por terem uma opinião diferente da minha num tema importante para mim, criticam a minha opinião de forma desrespeitosa, eu fico magoada.

A diferença não está em expressar ou ocultar o que sentimos, a diferença está no cuidado que temos perante o outro quando o expressamos.

E talvez alguns me possam dizer: “mas eu também não quero entristecê-lo/a”. Eu aí diria que podermos dar atenção às nossas tristezas e ficar a dar-lhes algum colo quando surgem é essencial para arrumarmos as nossas dores e podermos então abrir-nos a novas possibilidades. Por outro lado, ao ocultar verbalmente o que a nossa expressão corporal não consegue esconder, podemos estar já a magoar.

Joana Fojo Ferreira – Psicóloga clínica e Psicoterapeuta