O homem que recusou morrer mais cedo

gentus

– Sabe, eu tenho 65 anos, estou no meu 3º casamento, estou casado vai para 20 anos, mas não me sinto realizado, a nossa relação já não é o que era, quando fazemos amor eu percebo que para ela já é um sacrifício. Ela é uma ótima pessoa, tenho um enorme carinho por ela, mas a relação já não funciona, ela quer passar o tempo todo em casa e eu gosto de sair, meti-me num grupo que organiza caminhadas pela serra, eu gosto de estar com outras pessoas, gosto de conviver e ela acaba por sair comigo mas vejo que é sempre um esforço para ela, que por ela ficávamos sempre em casa.

– Eu percebi que já não sou feliz com ela e pedi a separação. Nem eu sou feliz nem ela.

– Mas tomei todas as medidas para que não lhe falte nada, se ela permitir eu quero manter uma relação de amizade com ela, quero que ela não se sinta desapoiada, que vou estar sempre ali quando ela precisar de alguma coisa.

– Isto é o que se passa. Pedi o divórcio porque sinto que a nossa vida como casal tinha estagnado e já não era boa nem para mim nem para ela.

– Mas a maioria dos nossos amigos diz que não é normal, um tipo chegar aos 65 anos e tomar uma atitude destas, dizem que eu não devo estar bem, que devo estar com um problema qualquer. E então decidi marcar consulta consigo.

– Venho aqui para saber a sua opinião.

– Eu não acho que você seja apenas “normal”. – respondi – Mais ainda, acho que tudo o que se está a passar consigo é saudável. Porque senão vejamos: o que seria então “normal”? Chegar aos 60 anos e decidir que a partir dessa idade uma pessoa deverá desistir de seguir o seu coração? Que deverá conformar-se com o que tem na sua vida, com a forma como vive a sua vida, mesmo que o que tem e vive seja sofrível e medíocre? Ou seja, a partir de que idade é que um ser humano deve decidir que o resto da sua vida deve passar a ser um exercício constante de conformação com a frustração de nada poder fazer para poder melhorar a sua vida e vivê-la como realmente desejaria? A partir de que idade é que uma pessoa deve decidir que tudo o que lhe resta é encostar-se a um canto e esperar pela morte? Que “normalidade” é essa que determina como “normal” uma morte antecipada?

Consultas como esta não são de todo frequentes, mas permitem-nos perceber que, muitas vezes, conceitos interiorizados socialmente como “normais” traduzem padrões de vida disfuncionais, geradores de uma imensa frustração e sofrimento, sendo também espectável – no mesmo registo “normal social” – que os seres humanos acatem como inevitável e aceitável essa mesma frustração e sofrimento.

E assim, muitos seres humanos aceitam morrer mais cedo, abdicando de viver a sua vida como genuinamente deveriam viver – um dia de cada vez – a abraçar com entusiasmo o que a vida lhes trás a cada momento, sem certeza alguma senão a de se recusaram trair-se a si próprios, sabendo que a vida vai continuar a dar-lhes momentos de sofrimento e frustração mas que estes terão resultado de escolhas conscientes – genuinamente suas – e não da agonia duma resignação imposta e “normal”.

No final da sessão, acrescentou:

– Quero perguntar-lhe só mais uma coisa: apaixonei-me por uma mulher que tem só 41 anos e ela correspondeu-me. Mas agora estou com algum receio de não saber como lidar com esta situação, percebe?”

– E… ? – Instei-o a continuar.

– Como devo eu fazer?

– Você sabe muito bem como deve fazer ou o que deve fazer, mas como me pergunta a minha opinião deixe-me recordar-lhe que você deve ser genuinamente você, com os seus talentos e as suas limitações, aliás como sucederia com qualquer outra pessoa de qualquer outra idade. Tente ser você mesmo e nada mais que você mesmo. Se reparar com atenção, é impossível ser diferente de você mesmo. Pode tentar mas não vai conseguir. Seja genuíno. Se você tem sido genuíno com a sua namorada, lembre-se que foi por você que ela se apaixonou. Se tentar ser outra pessoa não só não vai conseguir como vai estar a privá-la da pessoa por quem ela se apaixonou.

E com um sorriso genuíno – como só as crianças sabem sorrir – despediu-se e, espero eu, foi viver a sua vida com a coragem de quem se recusou trair-se a si próprio, calar o seu coração ou abdicar de ser o autor e único responsável pelas suas escolhas e pela sua própria vida.

 

João Parente – Médico Psiquiatra e Psicoterapeuta

Aceitação, uma palavra complexa

Aceitação

Aceitação, uma palavra que merece a nossa atenção nesta época de balanços de final de ano e planos para o Ano Novo.

As várias ciências e disciplinas têm um vocabulário que lhes é próprio. Quando o vocabulário não faz parte da linguagem comum, é mais fácil perceber que estamos perante uma linguagem técnica, mas quando são utilizadas palavras que fazem parte do léxico de todos nós, as interpretações tornam-se mais confusas. Tomemos por exemplo a palavra “positivo”, tantas vezes utilizada na linguagem vulgar, para designar algo de bom, mas cujo significado em ciência é apenas o de: estar presente, existir, poder assinalar-se.

Sabemos o quanto um resultado “positivo” numa análise laboratorial, pode revelar-se negativo para o nosso bem-estar…, mas pode também revelar-se positivo, dependendo de a que é que se refere a “positividade”

Em Psicologia, tal como noutras ciências ou áreas específicas do Saber, encontramos muitas palavras que são utilizadas na linguagem comum, mas que se revestem de um significado mais restrito e específico, ou mesmo diferente no âmbito dessa área.

Actualmente ouvimos cada vez mais a palavra “aceitação”.

 “Aceitarmo-nos a nós próprios”; “aceitarmos os outros” “aceitarmos a vida e as suas vicissitudes” “aceitarmos incondicionalmente os nossos filhos”…

Mas o que significa em termos psicológicos de facto “aceitar”?

“Aceitar” significa simplesmente não negar a existência e encarar com verdade o que é, e o que está, englobando essa realidade.

Aceitação não significa aprovação, consentimento ou resignação a essa mesma realidade, isto é, não implica qualquer tipo de aquiescência, abdicação ou renúncia. Implica, isso sim, aceitar a realidade da existência, de forma a podermos responsabilizar-nos por esse facto, conhecimento, ou constatação.

Aceitação é mesmo o primeiro passo para se poder escolher mudar, ou não, o que está e o que é, quando tal é possível, e pacificarmo-nos quando não o é.

Aceitação é sentir e perceber que os outros são o que são e que não podemos querer que eles sejam como nós desejaríamos que fossem

Aceitação é, neste sentido, o contrário de negação. Ao que é negado não é reconhecida existência, logo não fica ao alcance do nosso pensamento ou acção.

Para que possamos pensar sobre, agir, transformar, incorporar, lutar, pacificar, necessitamos em primeiro lugar de aceitar a existência duma determinada realidade, facto, emoção, pensamento.

É apenas a partir dessa plena aceitação e fruto dela, que podemos conscientemente decidir o que fazer.

Olhemos para a realidade do dia a dia:

Se não aceitarmos que estamos doentes, não faremos nada para nos tratar.

Se não aceitamos que alguém legislou mal, não podemos lutar para que legisle bem,

Se não aceitarmos que os nossos filhos precisam de ajuda especializada, não a procuraremos nem os ajudaremos

Se não aceitarmos que os outros são como são, não podemos amá-los incondicionalmente ou afastarmo-nos e protegermo-nos dos seus abusos.

Se não aceitarmos que vida pode ser injusta, nada faremos para que seja mais justa,

Se não aceitarmos a morte como inevitável, não viveremos a vida plenamente.

O mesmo se passa com a nossa realidade interna:

Quando negamos e evitamos as nossas próprias emoções e pensamentos, estamos a impedir-nos de aceitá-los, logo estamos a impedir-nos de agir sobre eles.

Acontece que todos nós temos tendência para negar e/ou evitar o que é desconfortável e doloroso, mas ao fazê-lo, estamos a negar-nos a possibilidade de qualquer mudança. Ficamos pois, cativos da dor, da zanga, da frustração ou da resignação, que nada tem que ver com aceitação.

Aceitar profundamente o que não pode ser mudado é também um passo para a sabedoria de perceber a diferença entre o que pode e não pode ser mudado

(tal como nos recomenda a Oração da Sabedoria)

Nesta época de planos e esperança num novo ano, talvez possamos começar por escutar e olhar a nossa realidade e abraçá-la aceitando-a pelo que é. Por vezes, esta aceitação é o ponto de chegada de que necessitamos para fazer face a determinadas realidades que não podemos controlar e que estão fora da nossa vontade ou acção. Outras vezes, a aceitação é simplesmente o ponto de partida para podermos alterar, transformar, evoluir.

A aceitação plena é uma libertação e, como tal, permite mais escolhas, tomadas de decisão e um maior grau de satisfação connosco e com a vida.

Cristina Marreiros da Cunha – Psicóloga e Psicoterapeuta