Reconstruir Significados

josesaramago1-sebastiaosalgado1

Há um livro que às vezes costumo recomendar em psicoterapia. Trata-se de “O homem em busca de um sentido” escrito por Viktor Frankl e narra as suas vivências no campo de concentração em Auschwitz. Frankl já era um reputado terapeuta antes destes acontecimentos, mas acredito que a sua forma de encarar as perdas que sofreu foi determinante para se tornar num marco incontornável (para mim) no contexto terapêutico.

Frankl afirma, e cito apenas de memória, que uma pessoa é capaz de aguentar quase tudo a partir do momento em que atribui um significado ou sentido a tal vivência. Esta atribuição de significado não desresponsabiliza a pessoa, não a resigna ou torna agente incapaz ou passivo perante as circunstâncias. Precisamente o oposto sucede, pois a partir do momento em que a pessoa assume um significado, torna-se menos paralisada e paralisável, menos assustável e assustada, uma presa menos fácil para as angústias, pequenas e grandes, desta vida.

Dezelic apresentou recentemente (em 2014) diversas fontes para construção e extracção de significado para que, perante situações inicialmente avaliadas como potencialmente trágicas, possamos pavimentar um percurso em direcção ao triunfo face às dificuldades. De forma a facilitar a sua recordação e implementação, agrupou tais fontes no modelo REACH. Assim, cada potencial fonte assume-se também como possível foco de intervenção e promoção de resiliência.

• Responsabilidade (consciência de si e dos outros, responsabilidades para consigo e para com outros, auto-descoberta, etc..)
• Experiencial (relação com os outros, com a natureza, com a arte, fé, etc..)
• Atitudinal (atitudes e concomitantes limitações face a circunstâncias e situações)
• Criativa (dons e talentos transformados e projectos, conquistados e promotores de empenho e acção)
• Histórica (legado dos passados já decorridos, legados dos presentes vividos no agora e legados a construir face aos potenciais futuros)

Este enfoque existencial alberga aspectos do famoso triângulo do significado, conjugando criatividade, experiência e atitude.
Às vezes é preciso exercitarmos um pouco mais um ou mais destes componentes, harmonizarmos, de forma responsável, o que está em desalinho. A terapia pode ser o espaço para tal, e é-o tantas vezes.

Ao terapeuta cumpre, como sempre, a função de, nas sombras, deixar o cliente brilhar. Afinal, é da sua existência, da sua responsabilidade e da sua espiritualidade (sim, assumamos!) que tratamos nestas linhas. E é na forma como o terapeuta e o cliente moldam cada um dos componentes e elementos do processo, no tempo e no conteúdo em que o fazem, que esta se torna uma partilha construída a dois, numa relação irrepetível para cada cliente e para cada terapeuta.

Ana Baptista de Oliveira – psicóloga e psicoterapeuta

A vulnerabilidade sentida com o “Nunca tinha pensado nisto!?”

Imagem

É comum ouvir em terapia “Nunca tinha pensado nisto!?” que agora me diz ou faz ver. Algumas pessoas acham mesmo que eram “burras”, “limitadas” ou “tapadas” por não conseguirem VER as coisas de outras formas como na ocasião a/o terapeuta lhe devolve, e ficam, de certa forma, incomodadas com a sua incapacidade para ter perspectivado aquilo. Talvez isto seja incomodativo por ser inerentemente experiencial, implicar quase sempre a perda da noção de si próprio e resultar na emergência de uma noção de si diferente da que se conhecia até ao momento.

Sabemos que às coisas novas acresce risco emocional e incerteza (i.e. vulnerabilidade) e também sabemos que, por norma, o conhecimento das coisas traz mais tranquilidade. As pessoas que ficam mais vulneráveis com o “Nunca tinha pensado nisto!?” parecem ser mais resistentes à clareza do que é agora conhecido. Talvez porque os “nuncas” nascem de falsas certezas e deitam por terra essas mesmas certezas ou dogmas ficando-se, assim, sem chão para se ler e se guiar no mundo. A “pancada” do dar-se conta é integrada na pessoa e fá-la sentir, no aqui e agora, coisas novas que a lançam num novo posicionamento existencial de si no mundo. Certamente que isto pode implicar sentir-se vulnerável pois a posição fixa do NUNCA vai sendo substituída por uma outra, a da FLEXIBILIDADE e sob a forma do pode ser.

Para enfrentar este risco torna-se necessária CORAGEM traduzida num peito aberto ou abrir do coração. Assim se conhecem e enfrentam os meandros das nossas vulnerabilidades e a terapia é por excelência um espaço em que estas se descodificam mas com a grande vantagem de ter outro peito aberto à sua disposição para o revezar, caso fique mais inseguro em conhecê-las.

Os momentos mais preciosos em terapia são conseguidos com esta parceria humana de alguém que o ajuda a VER-SE melhor porque se vão mapeando e trabalhando as nossas vulnerabilidades e os nossos recursos. Por isto, VER para mim pode ser expresso em V(verdade) E(experiencial) R(resiliente), porque aquilo que é mais genuíno/verdadeiro entre dois seres humanos gera Confiança, um dos mais poderosos antídotos do medo e um dos maiores aliados do desejo e do amor, por nós e pelos outros.

Rita dos Santos Duarte