Natal e Compaixão

O Natal é uma época em que a tendência natural para a compaixão parece emergir com mais força. As razões para este fenómeno serão com certeza muitas e de vária ordem, sociais, culturais, religiosas, familiares, psicológicas, … ter compaixão e ser solidário com os que menos têm, seja saúde, dinheiro, companhia… será natural durante todo o ano, mas quando o frio aperta, e o ambiente é evocativo de reunião familiar, e de outras celebrações, é compreensível que essa vontade de ajudar a que estes dias sejam menos penosos, esteja mais presente.

O Natal é, para uns, alegre e festivo, para outros, mais sombrio e, para alguns outros, chega a ser mesmo um pesadelo que se deseja que passe depressa. Esta época é sempre evocativa de memórias, boas, más ou mesmo ausentes, e remete-nos para uma série de lembranças, acompanhadas de um turbilhão de emoções e pensamentos associadas à época de natal, ou, sempre presentes, mas exacerbadas nesta altura. Porém, hoje não irei por aí.

Irei apenas deter-me na compaixão, isto é, na capacidade de compreender e sentir o sofrimento do outro, de empatizar com a sua experiência. A compaixão é algo que até certo ponto nos é inato, pois a nossa necessidade de vinculação e adaptação, intimamente ligadas à sobrevivência, a isso nos incitam. Mas também é algo que é aprendido e desenvolvido. Sabemos que os neurónios espelho têm um papel fundamental neste mecanismo. Ora, como é sabido, as vivências de cada um de nós são inúmeras e as aprendizagens da realidade que vamos fazendo desde que nascemos, as defesas que vamos criando, o espaço que nos foi dado ou não, para nós e para os outros, vão-nos diferenciando e fazendo com que vivamos a compaixão, tal como muitos outros sentimentos, de forma diversa.

A compaixão não está ligada a qualquer sentimento, expectativa ou necessidade de retorno. A compaixão é uma vivência “com” o outro, “junto” do outro, e não uma vivência do próprio “para” o outro. Não há dádiva, nem dívida, há companhia, há partilha, e é esse movimento de estar com o sofrimento do outro que será motor de algo mais.

Porque nem sempre é fácil acompanhar o sofrimento do outro?

Porque ter compaixão é estarmos em contacto com as nossas próprias vulnerabilidades, é sentirmos as fragilidades inerentes ao nosso ser particular e ao ser humano em geral, das quais tantas vezes queremos escapar e esquecer.

Por outro lado, porque queremos, por vezes, ajudar compulsivamente?

Porque, para evitarmos entrar em contacto com as nossas próprias vulnerabilidades, optamos por acudir às vulnerabilidades dos outros, numa tentativa de nos sentirmos mais fortes e superiores, ao mesmo tempo que nos esquecemos de nós. Este é um claro sinal de que estamos a fazer um duplo mau trabalho: o primeiro connosco e o segundo com os outros.

Buda diz: «Se a sua compaixão não o incluir a si, ela está incompleta»

Em termos psicológicos, o primeiro alvo de compaixão deverá ser o próprio.

Que amigo poderá ser para os outros se você não consegue ser o seu melhor amigo?Que ajuda poderá prestar se não se sabe ajudar a si mesmo?

Quando a ajuda aos outros está a substituir a ajuda e atenção que deveria dar a si próprio, irá esperar reconhecimento, agradecimento, ou irá zangar-se ou deprimir-se quando tal não se verificar. Este é um sinal claro de que não está a ter compaixão por si, e que não está a saber ter compaixão genuína pelos outros. Está sim a utilizá-los como suporte a si, à sua autoestima, à sua fragilidade que deveria ser atendida, e ser o seu primeiro alvo de compaixão.

Neste Natal, ouça-se com compaixão, aceite-se, prescinda de controlar o que não pode, o que não deve (filhos, amigos, namorados, familiares) e meta mãos à obra nas transformações que estão ao seu alcance e que sente que deve fazer para se reequilibrar. Só estando psicologicamente bem consigo, poderá amar os outros prescindindo de controle ou retribuição e tendo verdadeira compaixão.

Cristina Marreiros da Cunha – Psicóloga e Psicoterapeuta

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s