Texturas e sentidos em psicoterapia – a importancia de sair da cabeça

texturas e sentidos em psicoterapia

Sabemos que o corpo é sábio e imenso em potencial. O que não dizemos verbalmente, por vergonha, medo, ou falta de consciência, o corpo expressa de forma mais ou menos clara, mais ou menos directa. Certamente que se recorda de determinadas situações em que claramente o que disse e o que manifestou através da sua expressão corporal não foram de modo algum congruentes e, quase invariavelmente, a mensagem com maior impacto foi a não verbal.

O estado natural do ser é em constante auto-regulação, avaliação do meio, adaptação, mudanca, e o corpo (e no corpo) essa mudança traduz-se também nas sensações que experimentamos e que, muitas vezes, sao renegadas para um lugar secundário no nosso dia a dia.

Embora seja possivel aceder ao fenomeno introspectivo e cognoscente atraves da palavra e da narrativa, este fenomeno torna-se ainda mais completo quando recorremos também a experiência inteira e esta, claramente, envolve o corpo.

É muito dificil ajudar a pessoa a “sair da cabeça” e passar o testemunho à sabedoria do corpo. Implica desvalorizar o muitas vezes sobrestimado primado da razao, e é também oportunidade de nos encontrar-mos mais inteiros, mais completos.

Como é essa tristeza? Essa alegria? Esse medo? Essa zanga? De que cor? A que cheira? Qual a sua textura? O que sente quando (situação dificil, prazerosa, relevante para o cliente)? E onde sente isso? E como é ser essa sensação? Não é um desafio fácil para a maioria das pessoas, que está habituada a recorrer sobretudo às palavras para identificar o que sentem (ou, mais vezes ainda, o que pensam sobre como se sentem).

Os benefícios de atentarmos a mais experiência do corpo passam também pela maior consciência que a pessoa ganha de si e da maior atenção que aprende a dar ao seu estar e ser, no aqui e agora presente. Além disso, tornamo-nos mais capazes de nos darmos conta das reacções que se despoletam no nosso corpo perante determinados eventos internos, externos ou meramente imaginados.

E quando nos damos conta, podemos eventualmente apercebermo-nos de como esses eventos nos induzem sentimentos dos quais, à partida, não nos conseguiamos aperceber e, portanto, não conseguiamos identificar. Algo se passava no nosso corpo que não so não descodificavamos mas também não nos permitiamos sentir.

Um pouco mais longe, se não nos permitimos sentir, não nos autorizamos a ser congruentes com a nossa existência interna. O corpo, sabiamente, expressa esta existência, quer a nossa cabeça tenha competências para traduzir e descodificar esta expressao.

Por vezes, darmo-nos conta do que sentimos facilita que percebamos o que precisamos. Por outro lado, permite-nos um acesso mais informado e completo as narrativas construidas.

Esta maior capacidade de nos apercebemos do que acontece no meio em volta e também em nos permite-nos explorar esta consciência também como ferramenta interventiva no processo terapêutico.

Sair da cabeça é também praticar o prazer e o lazer, é identificarmos e permitirmo-nos expor ao que nos é agradável, ao que nos conecta ao aqui e agora, seja através de práticas de visualização, respiração, meditação, desporto, canto, ouvir (boa!) música, escrevermos, cozinharmos, enfim, o que quer que funcione para cada um de nós.

Porque há alturas para fazer as coisas com cabeça, claro que sim. E também há alturas em que é mesmo preciso sair da cabeça!

Ana Baptista Oliveira – Psicóloga e Psicoterapeuta

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s